quinta-feira, 19 de julho de 2007

Sobre o meu menino


Peito largo e forte, onde eu me encaixo, onde ele me protege.


Mãos grandes, firmes, quentes, com afagos guardados para os meus cabelos (ele sabe que isso me deixa com sono, e faz de propósito, para que eu durma abraçada a ele).


Alto, para sempre me manter olhando para cima, de cabeça erguida.


O rosto dele tem muitas expressões: sério, concentrado, relaxado, feliz, preocupado, pensativo, admirado, contrariado, fascinado... Em todas elas sempre há um traço de humor, de esperança, de "tudo vai dar certo". Sempre um vestígio do garotinho terrível que ele certamente foi (e ainda é, para minha sorte).


Ele não tem frases de efeito na ponta da língua, à espera de um momento teatral que o faça brilhar. Ele não tem teorias filosóficas, ou histórias, ou desculpas, ou posse e justo título da verdade. Mas, sempre que fala comigo, me traz um ponto de vista que eu jamais alcançaria sozinha. E me faz rir de todas as situações - especialmente das mais complicadas, especialmente de mim mesma.


Ele próprio ri de si mesmo, e nunca leva as desgraças tão a sério, mas jamais fez pouco caso dos meus problemas, ou tirou o corpo fora quando precisei de ajuda (coisa que nunca tive de pedir).


Ele me dá amor, segurança e paz.


Ele melhora meus dias - inclusive aqueles em que não nos vemos.


Ele gosta do meu jeito, de como eu sou, de como eu penso, do que quero ser. Faz planos junto comigo e não quer que eu mude.


Esse é o meu menino.


E sobre mim?


Nada mais importante a dizer, além de que sou dele, e de mais ninguém, nem antes, nem depois. Sou dele, por inteiro, e isso é o que basta para me fazer inacreditavelmente feliz.

2 comentários:

Carol disse...

Descriçao maravilhosa do amor puro e sincero como o que vcs sentem um pelo outro... Muito me alegra saber que estás bem e feliz, vivendo o amor em sua plenitude, como jamais sentiste antes... Muita saudade de ti, amiga! Um grande beijo da tua pequena amiga Carolzinha

Clarice disse...

Ah! Que lindos! O sentimento e o texto.
Quando eu crescer quero ficar pequenininha só pra lembrar como é.
Abraço e prazer em te ler.